segunda-feira, 19 de novembro de 2007

A face do fracasso




A imprensa norte-americana é uma senhora ainda elegante mas já um tanto quanto cansada, de olheiras acumuladas e desencanto terminal. No cinema, ela acaba de ganhar um rosto, uma cara, uma expressão: Meryl Streep, em "Leões e cordeiros".

O filme de Robert Redford vale pela revelação dessa face do jornalismo atual em forma de gente, em rosto de mulher – especialmente no caso norte-americano, mas com pinceladas que também valem para a gente aqui embaixo. Mas não fica só nisso não: é o primeiro filme que eu vejo espetar (com dignidade, sem grande arroubos) o espírito cínico do nosso tempo.

E esse espírito também ganha um rosto no filme, o do estudante de inteligência superior à média que se acha, por esse atributo, livre de julgamentos morais, acima desse tipo de avaliação, aquém da mentalidade chã da humanidade em geral.

São duas denúncias, sobre dois fenômenos dos dias atuais, que ganham formas de gente de carne e osso na tela. Miss Press está acuada, ciente de que quase sempre é usada como instrumento de propaganda – em manobras em que quase sempre se ilude com impressões de (falso) poder. E então, quando percebe a cilada e quer retomar as rédeas da situação, declarando uma independência de que nem sempre goza, perde o discurso. O poder de fato não está na mão dos paus mandados, por mais esclarecidos que esses sejam (ou se julguem).

E o que dizer do garoto entediado? Júnior Genial ainda estrebucha, procura as brechas por onde pode escapar no discurso do professor Redford e, é verdade, encontra muitas. Mas o fato latente é que, se as justificativas intelectuais estão aí, mais cedo ou mais tarde esse vale tudo do cinismo hedonista também sofrerá os efeitos de sua indiferença crônica e cômoda. Tanto quanto um furacão reequilibra com sua fúria a natureza que o poder do dinheiro corrompeu em vão.

Isso é papo pós-filme, claro. Pulei a parte em que a gente explica que o "Leões e cordeiros" trata dos Estados Unidos pós-fracasso no Iraque e à beira da invervenção no Irã ou às voltas com mal curadas feridas afegãs. Filme que se sustenta em dois diálogos: um entre uma jornalista outrora respeitada (Streep) e um senador republicano-talibã (Tom Cruise); e outro entre um professor (Redford) e seu aluno brilhante e egoísta.

Um comentário:

ana sua mana disse...

fiquei com vontade de assistir, e, que bom, est� em cartaz por aqui. sobre cabo do medo, tb vi, tempos atr�s, numa tv dessas por assinatura. e, como vosmec� tb senti mais medo do robert mitchum do que do de niro.